IORM realiza workshops de disseminação cultural e formação de plateia em escolas públicas e entidade do Terceiro Setor em quatro cidades

O Instituto Oswaldo Ribeiro de Mendonça – IORM, por meio do Projeto Agenda Cultural, realiza até o dia 1º de dezembro workshops de disseminação cultural e formação de plateia em escolas públicas dos municípios de Ipuã, Miguelópolis, Orlândia e na Sociedade Guairense de Beneficência – Sogube, entidade do Terceiro Setor de Guaíra. 

-A matéria continua depois da publicidade-

Os workshops foram iniciados no mês de outubro e contemplam apresentações artísticas culturais gratuitas de fragmentos do Espetáculo virtual Pés que Ouvem, Mãos que Falam, exibido por meio da instalação de telões no ambiente escolar.   

No mês de outubro, os professores das escolas participantes das quatro cidades participaram dos Encontros formativos sobre os processos criativos do Espetáculo virtual Pés que Ouvem, Mãos que Falam. E puderam compartilhar a experiência vivida com seus alunos, apresentando e refletindo sobre os conteúdos artísticos culturais do processo de criação do Espetáculo.

 

Antes de cada apresentação do Espetáculo virtual é realizada a terceira ação de formação de plateia, referente a conclusão da proposta de contrapartida social apresentada no Projeto Agenda Cultural, executada por meio de uma dinâmica prática e reflexiva ministrada pelos professores das Oficinas de Artes Usina da Dança, sobre a temática e todo o processo de criação do Espetáculo virtual Pés que Ouvem, Mãos que Falam. 

Para estimular a participação das crianças, foram realizadas ao longo da apresentação, diversas perguntas e dinâmicas, que permitiram identificar que, para muitas crianças, o Espetáculo Pés que Ouvem, Mãos que Falam foi a primeira vez em que puderam assistir a um espetáculo de dança.  

“Abordamos o  tema do Espetáculo e salientamos que o contexto pandêmico nos tornou ainda mais dependentes da tecnologia. Necessitamos de computadores para estar conectados a internet o tempo todo. Até mesmo as brincadeiras se tornaram digitais, em oposição a esta realidade, o tema do Espetáculo Virtual Pés que Ouvem, Mãos que Falam, vem ressaltar a necessidade de buscarmos equilíbrio, de estar em contato com os elementos da natureza. As crianças foram questionadas sobre as formas que podemos nos conectar com a natureza e se elas conheciam os elementos da natureza. Explicamos que é através do corpo que experimentamos a natureza, os infinitos gestos e movimentos nos possibilitam sentir os elementos naturais, como  terra, ar, fogo e água e, neste momento, realizamos a dinâmica Acordar o Corpo”, sintetiza a coordenadora artística da Usina da Dança, Valeria Pazeto.  

Em Ipuã, os Workshops foram realizados no dia 09 de novembro, na EMEB Vereador Alberto Conrado, nos horários 08hs, 08h40, 10 hs, 13hs e 13h40, com a participação efetiva de um público de 300 espectadores, em sua maioria alunos da rede pública, incluindo também professores, gestores e demais profissionais da escola parceira.  

No dia 16 de novembro foi a vez da Escola Capitão Emídio, de Miguelópolis receber o workshop de disseminação cultural e formação de plateia.  

Em Orlândia, os 04 workshops foram realizados no dia 24 de novembro, na EMEB Alcinéia Gouveia de Freitas, nos horários 08hs, 09hs, 13 hs e 14 hs. O último workshop será promovido na Sogube, de Guaíra, no dia 1º de dezembro. 

Formação 

A cada workshop a plateia recebe a informação de que o Espetáculo de 2020 ocorreu de forma virtual, e que cada criança e bailarino foi responsável por gravar, em sua casa, movimentos pautados nos elementos da natureza.  

Durante os workshops, foram compartilhados com as crianças processos fundamentais para a produção de um espetáculo, envolvendo métodos, conceitos, dedicação dos professores e bailarinos e dos alunos bailarinos, formações e laboratórios.  

“Evidenciamos que um dos laboratórios foi a visita dos professores da escola EMEB Vereador Alberto Conrado a Casa Sensorial. Continuamos instigando a participação das crianças, perguntando se reconheciam os professores que apareceram no vídeo e se conseguiam identificar os momentos de interação com os elementos da natureza. Percebemos que reconhecer seus professores no vídeo colaborou para as crianças se sentissem pertencentes ao processo e ao Espetáculo, como de fato são, ao mesmo tempo que espectadores e apreciadores, estão usufruindo de seus direitos de acesso à cultura e a arte.”, declara Valeria. 

O vídeo dança Pés que Ouvem, Mãos que Falam e o vídeo da formação dos professores, possuem Audiodescrição e Libras, para que pessoas com deficiência visual e auditiva usufruam do seu direito constitucional de acesso ao lazer, cultura e arte.  

Toda apresentação realizada pelo profissional do IORM aconteceu de forma lúdica e com vocabulário adequado.  

Para complementação do processo formativo acerca da temática abordada dos alunos foi disponibilizado os links com a live sobre o processo criativo do respectivo Espetáculo produzida pela equipe artística do Instituto ORM e, também apresentado o vídeo com o registro da formação dos professores na Casa Sensorial. 

“O Projeto Agenda Cultural é uma realização do PRONAC 205171. Os workshops são realizados em articulação com os demais atores sociais do município, buscando à conscientização para a importância da arte e da cultura como continentes de identidade, significado e informação, a valorização da beleza presente na cultura local e a garantia do pleno acesso cultural, como um direito adquirido pela população em decorrência das diferentes manifestações artísticas que vão ocorrer em diferentes espaços e contextos da cidade.”, informa a coordenadora de projetos do IORM, Janaína Amadeu. 

Comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.