Feres Sabino: A torre como sonho

Minha geração colegial e universitária se formou sob a égide da liberdade política do país, que vigorou de 1946 até o fatídico, inesquecível e brutal golpe de estado de 1964, cujos efeitos maléficos nos atingem até hoje.

Debatiam-se, na aula mensal de geografia, os problemas do Brasil, criando um esboço de consciência de nação, e uma perspectiva de Brasil organizado e forte, soberano e dono de seu destino.

-A matéria continua depois da publicidade-

Era o período em que a temática era a do nacionalismo-desenvolvimentista, que garantia um índice alto de desenvolvimento do país, que veio num crescendo, depois da revolução de 1930 e que cobriu os anos até 1980. Era o país que mais crescia no mundo, e que de repente começou a andar para trás, até essa subserviência arrogante e eticamente miserável, que numa primeira e única reunião presidencial com seus ministros, para deixar claro que a preocupação era os filhos e os amigos, num salão nobre convertido em lavanderia sem desinfecção.

Naquele período o empresariado nacional estava mais ligado aos interesses do país, e avançou para compreender que aumento salarial não era fator de inflação.

Hoje, depois do último golpe, depondo uma Presidente, alegando inclusive o número exagerado de isenções de impostos de empresas, o governo sucessor não selecionou tais isenções, deixando como estavam e quiçá aumentando-as, emagrecendo os cofres da União, mas reservando bilhões ao sigilo do orçamento secreto, para compra direta de deputados e indireta de eleitores.

Ah, o Brasil da consciência de nação, e de suas forças armadas consideradas o “povo fardado”, era o Brasil dos melhores tempos de nossa juventude.

Naquela época o respeito às instituições e aos Poderes não inibia nosso espírito crítico, sempre sugerindo adequações e atualidade, afinal, a democracia como conquista histórica está sempre por ganhar um perfil novo. Hoje, os golpistas querem fazer crer que a ditadura é uma espécie de dádiva do diabo, sem as quenturas do inferno, e transformando a miséria ética e moral daquele perigo negro da história recente do Brasil em benefício necessário para umedecer a raiz democrática. Mas, por cautela, estão destruindo os documentos relativos a esse período, no Arquivo Nacional.

Nossa ingenuidade não se cansou de proclamar “Anistia – o desarme do ódio”, para assistir no atual período presidencial à destilação justamente do ódio, que guardaram para um revanchismo da maldade. Não é despropósito afirmar que o ressurgimento do ódio reprimido é fruto da benevolência da lei da anistia. Aliás, é por essa que torturadores saíram ilesos para chefiarem a traficância de drogas, no Rio de Janeiro e no Espírito Santo, galgando chefias através da maneira como sabem e ficaram ilesos, matando.

Não se atacava as instituições porque se respeitavam as leis. Mas, hoje, a arrogância de todo esqueleto sem alma ataca a Constituição, já que histórica e juridicamente ela representa um limite à atuação do poder político.

E o que inferniza o rebotalho de hoje é o limite, que cabe ao Supremo Tribunal de Justiça declarar. Não é Alexandre, Fux, Rosa Weber, ou qualquer outro nome, apesar de eventuais equívocos, mas é o limite. Limite não pode ser declarado, o fascista espuma, sonega a metade da verdade, confunde a outra, e vai enganando de forma audaciosa, sabendo impune, até porque o “Meu Exército” está sob o seu domínio encantado, ou conveniente.

Essa falta de limite avança por todas as vertentes. Foram liberados mais de 500 agrotóxicos, para envenenar aos poucos o povo brasileiro. Retiram as providências legais que poderiam determinar limites a essa liberação. Todos que representam colegiados criados por decreto foram extintos, porque influenciavam no conteúdo daquela área, mas dentro de limites legais. Avanço sobre terras indígenas, violando a Constituição, até visitando acampamento de invasores.

E, agora, prometendo vender a Petrobras, símbolo de nossa época de estudante, que representava o sonho de redenção do Brasil, naquele esforço construído por civis e militares.

No Largo da Faculdade de Direito de São Francisco tinha lá uma torre de petróleo, sinalizando luta e promessa sem limites pelo Brasil.

Se a torre antes foi retirada, agora ela ganha, no imaginário de uma geração, um símbolo de destruição do sonho de uma consciência de nação redimida, que se desfaz no ar do fascismo disfarçado, que só fala em vender, menos a mãe, o pai e o espírito santo, ainda que estejam sempre ameaçados por oferta generosa.

Comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.