Sérgio Roxo: UPA

Sérgio Roxo da Fonseca 

A história brasileira documenta o convívio diário com contrastes e antíteses, o que arrasta o brasileiro a verdadeiros espantos. A imprensa registrou nesta semana que, no primeiro trimestre de 2020, 40.000 brasileiros foram internados para atendimento hospitalar por falta de tratamento de água e esgoto. A cidade de Ribeirão Preto, no passado, instalou o seu sistema de tratamento de água e esgoto, em contradição com a maioria da população brasileira. Um médico da USP, também no passado, revelou-me que a política aqui aplicada salvou mais vidas do que a vacinação obrigatória. 

-A matéria continua depois da publicidade-

É relevante registrar que tal ambiente, já faz muito tempo, surgiu com as pesquisas desenvolvidas pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. 

Após 1964, aquele ambiente universitário converteu-se num centro de debates transformadores da realidade brasileira. Alguns professores e vários alunos foram presos, mas, com certeza, salvaram muitas vidas. 

Tive o privilégio de conviver com os médicos Antônio Sérgio da Silva Arouca, Frederico Graef, Isac Jorge e Luiz Carlos Raia que decisivamente revelaram a genética da história na raiz do seu conhecimento científico. Honra saber que a cientista Ester Sabino, de uma família de Ribeirão Preto, foi a primeira cientista a atacar objetivamente o vírus que hoje ataca o mundo. 

Com eles ouvi pela primeira vez a necessidade de ser instalado no Brasil um sistema de atendimento popular. Os críticos combatiam argumentando com a existência do Pronto Socorro. 

Aquela geração sustentava a necessidade de ser adotada uma regra pétrea assim fundada: “onde houver serviço médico com aplicação de verba pública, o atendimento tem de ser universal”. Assim surgiu o SUS o maior ou um dos maiores serviços de saúde do mundo. Eu ainda me recordo do então Deputado Arouca, na Câmara dos Deputados, lançando a ideia do SUS. 

Enfrentamos agora uma pandemia. A primeira da nossa geração. É possível estancá-la com o serviço médico particular? Claro que sim!  No entanto, somente poderá ser eliminada com a aplicação de uma enorme verba pública sempre com destinação universal. Assim surgiu a UPA, a Unidade de Pronto Atendimento. 

Tive a oportunidade de acompanhar o atendimento ministrado pelas Unidades de Pronto Atendimento. O atendimento tem sido extraordinariamente bom. Não se circunscreve apenas ao pronto atendimento. Vai muito mais longe. As UPAS não apenas dispensam o pronto atendimento, estendendo ainda a sua missão para o “pronto tratamento”. 

É possível indagar se a atuação do atendimento médico quanto à epidemia, pronto e eficaz, ocorre apenas na tão brava e leal cidade de Ribeirão Preto?  

Durante a Segunda Grande Guerra Mundial (1938-1945) o Brasil perdeu cerca de 500 soldados na nossa heroica luta contra o fascismo. Ao revés, na batalha contra a pandemia, até hoje já perdemos quase 40.000 vidas. Ganhamos a guerra, perdemos a paz.

  

Há antítese? Qual a sua causa? Os conflitos disparados contra o serviço médico atingem brutalmente a cidadania. É o que afirma sem refutação o plano aritmético. 

Com toda certeza, as UPAS, entre outras entidades, demonstram que a ciência médica tem condições de vencer a guerra em favor da humanidade. Há uma política lançada contra ela inexplicavelmente. Os médicos insistem em salvar mais vidas.

  

 Os brasileiros que venceram a Guerra Mundial e estão perdendo a batalha em favor da humanidade: se um homem morre, a humanidade inteira é lançada no inferno.  

Promotor aposentado Sérgio Roxo da Fonseca

Comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.