Em Orlândia | Mais notícias

Criança atropelada por bêbado segue na UTI, mas tem 'melhora'

Criança atropelada por bêbado segue na UTI, mas tem
Novacidade.com | 01/11/2016 - 16:50:32

ÚLTIMAS NOTÍCIAS - 01/11/2016 às 17h15
O site Novacidade conversou com a Tia de Ana Júlia, Meiriele Apolinário, e disse que a sobrinha está reagindo super bem. "Graças a Deus a minha sobrinha está se recuperando muito bem, os médicos disseram que o pulmão não está perfurado apenas inchado, já ergue a cabeça, respira sem ajuda de aparelhos e não vai precisar fazer cirurgia. Peço que as orações continuem". Breve novas informações.

ACIDENTE
O motorista que atropelou duas crianças na calçada da Rua 10, em Orlândia, no início da noite de sábado, dia 29, pagou uma fiança e responderá em liberdade por embriaguez ao volante e lesão corporal.

De acordo com o boletim de ocorrência, o acidente aconteceu por volta das 18h40, na região central de Orlândia. Testemunhas relataram que Marco Antônio da Silva, de 46 anos, conduzia um Fiat Uno, quando perdeu o controle do veículo na subida. O carro começou a descer a rua de marcha ré e em alta velocidade, capotando e atingindo as duas crianças que estavam na calçada.

Segundo o site G1, as vítimas tem 6 e 7 anos. Ingrid Apolinário Romanguera, de 7 anos, se feriu, mas passa bem e já recebeu alta médica. A outra vítima, de 6 anos, sofreu traumatismo craniano e foi transferida à Santa Casa de Franca, em estado grave. A instituição informou por meio de assessoria que a menina Ana Júlia Beleti Apolinário, de 6 anos, deu entrada na Santa Casa de Franca às 01h16 de domingo, dia 30.

A polícia destaca que ao indagar Marco Antônio, ele não soube explicar o que ocorreu. O condutor do Uno passou por exame clínico que constatou a embriaguez. Marco Antônio pagou uma fiança de R$ 10,5 mil e responderá em liberdade por embriaguez ao volante e lesão corporal.

Tia de Ana Júlia e mãe de Ingrid, a viveirista agrícola Meiriele Apolinário contou ao G1 que, após o acidente, Marco Antônio se preocupou com o próprio carro e não com a gravidade da situação. “O pior foi ele sair do carro, ver as meninas machucadas e dizer 'nossa, olha o que aconteceu com o meu carro. Ao invés de estar se preocupando com as crianças, estava preocupado só com o carro dele”, lamentou Meiriele.

COM INFORMAÇÕES GCN.NET e G1








    Lucilá Calçados Orlândia