Colégio Coutinho fatura três prêmios em programa da Abag

Compartilhar

O Colégio Municipal José Coutinho Pereira foi premiado, no último dia 12, por três trabalhos participantes do Programa Educacional Agronegócio na Escola. O concurso, que já tem 19 anos, é de iniciativa da Associação Brasileira do Agronegócio da região de Ribeirão Preto (Abag-RP).


A cerimônia para apresentação dos ganhadores aconteceu na Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto (AEAARP). Neste ano, participaram 50 municípios e quase 19 mil alunos nas categorias de redação, frase, desenho e feira de conhecimento.


Além disso, há o prêmio professor que contou com mais de 500 docentes, e Sales Oliveira ficou com o primeiro lugar. A professora, selense, de Educação Especial, Rosana Celso Reis Zanetti, deu continuidade ao projeto “De onde vem o chocolate?”, e acrescentou neste ano o “chocolate ao leite”.
O estudo iniciou com a cadeia produtiva do cacau da semente ao produto final, da árvore ao fruto. Então integrando a sociedade, distribuíram mudas, por meio do projeto “Adote uma árvore”.

-A matéria continua depois da publicidade-


Quanto ao leite, visitaram a usina de laticínio da Jussara e uma fazenda, e até experimentaram leite “in natura”. As crianças aprovaram, mas depois aprenderam que para ser consumido, precisa passar por um projeto passar por um processo chamado pasteurização.


Já no prédio escolar, fizeram queijo e os pais não ficaram de fora, foram degustar. Porém as mãos não quiserem sair da cozinha, os estudantes a partir da soja e do amendoim, plantadas também por eles, transformaram em leite.


O Colégio Coutinho levou ainda, para o pátio da escola, mais dois prêmios. Na Feira de Conhecimentos, com a Horta Aquapônica dos alunos João da Silva Urbinati, Maria Eduarda Garcia, Pedro Scandolari da SIlva. O projeto, um dos dez pré-selecionados, foi apresentado aos presentes e jurados.


Misturando aquacultura, responsável pelos nutrientes para as plantas e hidroponia, que realiza a criação de vegetais sem solo, o projeto objetivou a economia da água. O líquido usado para manter os animais vivos é o mesmo que irriga as plantas.


E na redação, Kaique César de Almeida contou sobre o tempo que morou na fazenda com seus pais. No texto, escreveu sobre a rotina de trabalho, como tirar leite e as fontes de renda vindas do agronegócio.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: